Rio de Janeiro / RJ - sexta-feira, 10 de abril de 2020

Síndrome do Intestino Irritável

                                                                                      

Sinônimos: síndrome do cólon irritável, cólon espástico ou doença intestinal funcional, abreviado em português como SCI ou SII e, em inglês, como IBS (Irritable 


O QUE É?                                               


A Síndrome do Intestino Irritável (SII) é um termo aplicado a uma associação de sintomas, crônicas ou recorrentes não associadas a qualquer alteração bioquímica ou estrutural conhecida até hoje.

 

O número de pessoas afetadas por essa síndrome alcança 10-20% da população em países europeus ou nos Estados Unidos. Entre os que procuram atendimento médico, a maioria são mulheres, geralmente no final da adolescência ou antes dos 30 anos.

 A SII é uma desordem funcional do intestino. Não há sinal de doença que possa ser visto ou medido, não se trata de um defeito anatômico ou estrutural.

 

O que parece ocorrer é uma associação entre um distúrbio da motilidade intestinal e uma percepção anormal de estímulos no intestino, que em pessoas sem a doença  não acarretariam qualquer desconforto. Ou seja, há uma hipersensibilidade nos indivíduos portadores dessa doença.

 


SINTOMAS

Quais os sintomas da SII? 

Dor e desconforto abdominal associado com alterações nas fezes , podendo predominar em alguns constipação ("intestino preso") , em outras diarréia e em outros casos alternar períodos de constipacão / diarréia. São queixas comuns a sensação de estufamento e distensão abdominal, decorrente da fermentação de gases no cólon. Pode haver muco presente junto às fezes. 

 

Segundo alguns médicos, por vezes chega a causar uma incapacidade comparável a deficientes motores. Por ser uma doença crônica e recorrente compromete a qualidade de vida e aumenta significativamente o absenteísmo.

Sangramento, febre, perda de peso e dor abdominal persistente e contínua não são sintomas da Síndrome e indicam outros problemas que precisam ser investigados. 

 

CAUSA

O que causa a SII? 

 O que leva uma pessoa a ter SII e outra não? Ainda ninguém sabe. Os sintomas não são causados por uma alteração orgânica específica  identificada. Os estudos têm demonstrado que na verdade, o intestino destas pessoas parece ter uma sensibilidade aumentada (são mais sensíveis) a diferentes estímulos como determinados alimentos e a ansiedade (stress).

 Acredita-se que alterações nos movimentos que propagam o alimento desde a boca até o ânus (motilidade intestinal) e nos estímulos elétricos, responsáveis por esse movimento intestinal, estejam envolvidos. Há contrações da musculatura (espasmos) , em outros pode acontecer a parada dos movimentos ou também um aumento dos mesmos levando a diarréia.


 O aparelho intestinal  é parcialmente controlado pelo sistema nervoso autônomo (não controlado pela nossa vontade), que comprovadamente sofre interferência do nosso estado emocional , como ansiedade e stress. Com isto pode trabalhar mais rápido, mais lentamente ou contrair de forma desordenada (espasmo). 


Os  indivíduos com Síndrome do Intestino Irritável, têm um limiar menor para dor proveniente da distensão intestinal, ou seja, menores volumes de gás ou fezes dentro do intestino são capazes de gerar uma sensação, interpretada pelos pacientes como dor, enquanto que indivíduos sem a síndrome provavelmente não seriam perturbados por estímulos semelhantes. A dor geralmente é do tipo cólica, intermitente e mais localizada na porção inferior do abdômen. Costuma aliviar com a evacuação e piorar com estresse ou nas primeiras horas após as refeições.

Alterações psicológicas como depressão e ansiedade são mais freqüentes em pacientes com Síndrome do Intestino Irritável que procuram atendimento médico. É possível que essas pessoas percebam e reajam de maneira mais intensa a estímulos menores.

 

Períodos sintomáticos podem se alternar com períodos assintomáticos de meses e até vários anos, mas que, por fim, tendem a recorrer.

 

Pesquisas revelam que mulheres com a SII apresentam exarcebação dos sintomas no período menstrual, sugerindo relação com os hormônios femininos. 

Como o estresse afeta a SII? 

   O cólon possui uma vasta rede de nervos que se conectam com o cérebro. Esta via nervosa coordena o ritmo normal das contrações dos músculos do intestino grosso. Em situações de estresse, ansiedade, esta mesma via pode causar desconforto abdominal. Pessoas freqüentemente experimentam cólicas, desconforto abdominal ou até mesmo diarréia quando estão nervosas ou agitadas. Mas em portadores da SII, o cólon manifesta-se de maneira muito mais intensa a essas situações. Além disto, o estresse tende a deixar as pessoas mais sensíveis a determinados estímulos. 



DIAGNÓSTICO

Como é feito o diagnóstico da SII? 

O diagnóstico é feito tendo como base a história clínica e exame físico.

 

   Não há nenhum teste específico para confirmação da síndrome, na verdade, utilizam-se exames e testes laboratoriais que não têm a intenção de confirmar o diagnóstico, no entanto são usados  para excluir outras doenças que possam ter sintomas semelhantes. Estes testes incluem exames de sangue e fezes, (endoscopia digestiva alta, colonoscopia e de imagem. 

 


TRATAMENTO

Quais os objetivos ? 


  O tratamento é consiste em controlar o movimento do intestino e recuperar sua coordenação motora normal. Isso pode ser conseguido com orientação alimentar e medicamentos.

 

  O primeiro e grande objetivo é a conscientização do quadro, como ele ocorre,o que faz melhorar e piorar os sintomas e a tranqüilidade de que não evoluirá para doença grave.  Uma boa relação entre o médico e o paciente é fundamental.

 

Como a alimentação interfere nos sintomas da SII? 

Para muitas pessoas com SII a atenção na escolha dos alimentos é fundamental. É importante anotar e avaliar diariamente quais são os alimentos que causam mais sintomas
. No entanto, nenhuma dieta específica pode ser recomendada para a SII em geral, já que a condição difere de uma pessoa para outra.

 

Alguns vegetais como feijão, repolho, couve-flor, cebola crua , couve  e carboidratos em excesso são causadores de dor ou distensão em certos pacientes.


Vinho, cerveja e alimentos ou bebidas com cafeína (café, chá, etc) também podem ser mal tolerados.


Evitar alimentos condimentados, com excesso de conservantes  e de difícil digestão também faz parte das orientações dietéticas.

 

O leite e seus derivados, tem em muitos casos contribuído para os sintomas de gases e flatulência encontrados nos pacientes com SII.  Na verdade, 70% da população acima dos 60 anos já desenvolveram certo nível de intolerância à lactose, ou seja, ao açúcar do leite, que fermenta e intensifica a produção de gases.

 

Aumente a ingestão de fibras dietéticas

 

Quais as medidas psicosociais?


O fato de fatores psicológicos poderem estar associados e mesmo desencadearem períodos mais sintomáticos e de não serem encontradas alterações capazes de explicar o quadro devem ser valorizados e explicados de maneira clara aos pacientes. Mudanças de estilo de vida podem ser úteis em alguns casos de SII. Por exemplo, exercícios regulares e hábitos melhores de sono podem reduzir a ansiedade e ajudar a aliviar sintomas do intestino. A ajuda de um psicólogo pode ser útil em casos graves de ansiedade ou depressão.


Medicamentos são importantes para o alívio dos sintomas e nas fases de maior desconforto. Isso não quer dizer que o uso de medicamentos deva ser crônico e contínuo, como acontece com outras doenças do intestino. Suplementos de fibras, às vezes laxantes, remédios para diarréia, calmantes, antiespasmódicos (para combater os espasmos do intestino) servem par melhorar muitos dos sintomas abdominais. Muitas vezes antidepressivos apresentam grande efeito calmante e analgésico, com boa resposta ao tratamento. 

 

Como se previne?


Como o conhecimento das causas e mecanismos da doença ainda são pouco conhecidos, não se sabem formas de prevenção.


A busca de atendimento médico para esclarecimento do quadro e manejo de sintomas específicos, evita que a doença cause maiores conseqüências na vida dos pacientes.